Sucesso de público, XXI Congresso da SBTMO 2017 reúne mais de mil congressistas
23/08/2017

O Congresso da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea (SBTMO), que aconteceu entre os dias 17 e 19 de agosto, em São Paulo, reuniu mais de mil congressistas e 25 convidados internacionais.

Este ano o tema de abertura foi o progresso e futuro do transplante haploidêntico de células-tronco. Mediado pelo presidente do Congresso, Nelson Hamerschlak, o americano Stefan Octavian Ciurea, professor associado do centro de transplante de células-tronco e terapia celular do MD Anderson Câncer Center, apresentou estudos recentes sobre este tipo de procedimento e a melhoria na qualidade de vida, sobrevida e retorno do câncer pós-transplante haploidêntico.

Ao final do dia, os participantes acompanharam a premiação dos trabalhos científicos, em cinco categorias diferentes, além do prêmio ABH, promovido pela Associação Brasileira de Histocompatibilidade:

Prêmio Mary Flowers - Melhor trabalho em transplante alogênico
Trabalho Vencedor: “Aplicação do índice AL-EBMT em pacientes com leucemia aguda, submetidos ao transplante alogênico de células-tronco hematopoéticas em um centro de transplante brasileiro” – Gláucia Helena Martinho e outros.

Prêmio Fani Job - Melhor trabalho multidisciplinar
Trabalho Vencedor: “Capacitar para curar” – Carmem Silvia Vieitas Vergueiro e outros.

Prêmio Ricardo Pasquini - Para jovens investigadores
Trabalho Vencedor: “Complicações Neurológicas associadas ao uso de inibidores de calcineurina em pacientes pediátricos submetidos ao transplante de medula óssea para doença falciforme” – Laila Rigolin Fortunato e outros.

Prêmio Alírio Pfiffer
- Melhor trabalho em falência medular
Trabalho Vencedor: “Experiência em transplante alogênico aparentado de células-tronco hematopoéticas para anemia aplástica grave em um centro brasileiro” – Fernanda Maia Lodi e outros.

Prêmio Júlio Voltarelli - Melhor trabalho na área de TMO
Trabalho Vencedor: “Outcomes after hematopoietic cell transplantion (HCT) in Brazil for children and adolescents with non-malignant diseases: A multicenter study on behalf on the Brazil-Seattle consortium Study group” – Carmem Bonfim e outros.

Prêmio ABH - Melhor trabalho científico na área de Histocompatibilidade e Imunogenética
Trabalho Vencedor
: “Acute myeloid leucemia in donor cells revealed by STR markers six years after boné marrow transplantion in a patient with SAA” – Marcia Quiroga e outros.

Simpósio ABRALE

No segundo dia de Congresso, o destaque ficou por conta do simpósio da ABRALE: O olhar do paciente para o TMO e o debate sobre acesso a novos medicamentos e tratamentos para a população brasileira.

No simpósio, o médico Nelson Hamerschlak e Merula Steagall, presidente da ABRALE, avaliaram que no Brasil, atualmente, não há déficit de doadores de medula óssea, mas sim uma falta de leitos adequados para a realização do procedimento, além da falta de acompanhamento de desfecho pós TMO.

Já sobre os acessos a medicamentos e tratamentos, Hamerschlak destacou o alto custo das drogas e a falta de interesse da indústria na produção com preços mais acessíveis. O especialista defendeu ainda a união entre governo, indústrias, médicos e pacientes para que a população brasileira tenha acesso a tratamentos adequados e remédios eficazes para o combate ao câncer.